Últimos Posts
Cultura

Teatro

Shows

Exposições

Noite

Festas

Esportes

Eventos Esportivos

Leny Andrade apresenta seu show "Leny in Bossa" na Tijuca


Leny Andrade, ​se apresenta, nos dias 18 e 19 de setembro, no Otto Music Hall, na Tijuca. No show Leny in Bossa, que é formado por João Carlos Coutinho, no Piano e voz, Jamil Joanes, no Baixo e Erivélton Silva, na Bateria, a diva canta sucessos eternizados na sua voz, como Saigon de Claudio Cartier, Paulo Feital e Carlão, e Samba do ​A​vião de Tom Jobim.

Ao longo dos seus 55 anos de carreira, Leny é a artista brasileira que mais faz shows no exterior, mais de 80 festivais de Jazz internacionais, em média 40 apresentações por ano fora do Brasil.

Leny é considerada uma das maiores cantoras brasileiras de Jazz e Bossa Nova, citada pelo The New York Times como a Sarah Vaughan do Brasil. Trabalhando ao lado de grandes nomes do Jazz como Charlie Byrd, Herbie Mann, Toots Thielemans e Paquito D’Rivera, seu talento tem sido apreciado ao redor do mundo em mais de 50 anos de carreira.

A Diva de 72 anos de idade, fez sua estreia como cantora profissional em night-clubs aos 18 anos e em um curto período de tempo ganhou fama e nome de destaque na música popular brasileira, especialmente na bossa nova, se tornando uma das cantoras mais populares do gênero.

Na década de 80, começou a realizar frequentes turnês nos EUA, Europa e Ásia, o que deu reconhecimento internacional, tendo se apresentado nos mais importantes festivais e clubes de Jazz do mundo. A influente publicação E.U. Village Voice declarou seu álbum Maiden Voyage, produzido em 1994, o melhor álbum de Jazz do ano. Em 2007, seu disco ao vivo gravado em conjunto com o pianista César Camargo Mariano foi premiado com uma estatueta do Grammy Awards, na América Latina. Em 2008, seu show Leny Andrade & Bansa Sambop, foi eleito em votação popular o melhor show do ano no Kaunas Jazz Festival, na Lituânia.


Leny in Bossa
Quando? 18 e 19 de setembro, às 21h
Onde? Otto Music Hall
Rua Mariz e Barros, 1050 - Tijuca
Quanto? R$ 50,00

Capacidade: 150 pessoas
Faixa etária: 16 anos
Mais informações: (21) 2254-0740

Saiba mais...

AlunaGeorge substitui Robyn no Palco Mundo do Rock In Rio no dia 27


O duo de música eletrônica britânico AlunaGeorge está confirmado entre as atrações do Rock In Rio 2015 e para a abertura do show da cantora Katy Perry em São Paulo, em substituição à artista Robyn, que por motivos de força maior cancelou suas datas no Brasil.

O duo AlunaGeorge é formado por Aluna Francis (voz, composição) e George Reid (produção e instrumental). O dois se encontraram pela primeira vez em 2009, quando George remixou uma música da banda anterior de Aluna Francis. Em 2012 lançaram seu primeiro single You Know You like It e um vinil. O single posterior da dupla, Your Drums, Your Love, estreou na 50ª posição da UK Singles Chart.

Em 2013 lançaram um single White Noise em parceria com DIsclosure, que chegou à segunda posição das paradas inglesas. No Brit Awards 2013 o AlunaGeorge foi indicado na categoria Escolha dos Críticos e no mesmo ano foi anunciado pela BBC no Sound of 2013, onde terminou em segundo lugar. Em 2014 lançaram o CD Body Music Remixed.

No dia 27 de setembro, às 21 horas, o duo estará se apresentando no Palco Mundo, da edição 2015 do Rock In Rio.
Saiba mais...

Banda alemã Raggabund traz sua mistura de reggae, ska, cumbia e hip hop ao Brasil

Os alemães da Raggabund apresentam seus beats e ritmos quentes em grande turnê pela América Latina desembarcam no Rio em Outubro.




Reflexo do mundo globalizado numa Alemanha multicultural, a Raggabund é uma banda que carrega boas surpresas sonoras. A mistura inteligente de ritmos quentes como reggae, dub, ska, cumbia, salsa, hip hop, raggamuffin e batidas eletrônicas servem de base para letras em alemão, espanhol e inglês, que cantam sobre amor, sobre o cotidiano em Munique e Berlim e também sobre injustiça social e intolerância. A turnê pela América do Sul (que começa neste sábado, dia 19 de setembro, em São Paulo) passará também em Salvador e Brasília antes de chegar ao Rio de Janeiro, no dia 21 de outubro, com apresentação no Teatro Rival.

Formada em Munique há mais de 15 anos pelos irmãos Paco Mendoza e Don Caramelo, a Raggabund traz na bagagem o recém lançado Buena Medicina (2015, Irievibration Records). Este terceiro álbum de estúdio é o mais latino da carreira e a língua espanhola está presente em muitas faixas. A música que abre o disco, Quiero Bailar é um reggae viajante que emana boas vibrações. Em seguida, So Nicht Geht, anuncia a parceria com os The Dubby Conquerors enquanto aborda temas de política e polícia. Rock n’ Roll Girl é um ska cantado em inglês. Im Gestern flerta com o dub e mostra o arsenal de batidas eletrônicas futuristas que a Raggabund insere em suas influências jamaicanas e latinas. A faixa-título, Buena Medicina é um reggae colorido que conta com a participação da cantora portuguesa Maria Rui. Atenção para Nazimann, uma balada pop de retórica social, onde Paco anuncia: "a população está globalizada". A faixa Chilling é um convite à dança com um mix de cumbia com ragga; e por aí vai...

O disco anterior, Mehr Sound (2012, Chusma Records) também estará presente no repertório da turnê, com os hits Beautiful Day e com as batidas ultra dançantes de Im Radio 2.0 e Mama Sexy. Vale lembrar que a Raggabund é uma ótima beatmaker e que a música eletrônica é ponto alto na Alemanha.

Paco e Caramelo estão ansiosos para a gira de 13 shows pela América do Sul e prometem fazer um diário de bordo neste link. "Nossa mãe é peruana e nosso pai é paraguaio de origem alemã. Passamos os primeiros anos de nossas vidas no Brasil, na Argentina, na Nicarágua e em Honduras. E depois de mudarmos para Munique, viajamos sempre para o Peru e para o Paraguai para visitar parentes. Por isso a gente se sente em casa na América Latina", diz Paco.


Raggabund no Rio de Janeiro
Quando? 21 de outubro
Onde? Teatro Rival
Rua Álvaro Alvim, 36 - Centro
Quanto? Evento fechado e gratuito

Mais informações: (21) 3804-8201
Saiba mais...

8º Festival Internacional de Filmes Curtíssimos

A Caixa Cultural vai receber a Oitava edição do Festival Internacional de Filmes Curtíssimos nos dias 11 e 12 de setembro. São 123 curtas de até três minutos, entre produções nacionais e internacionais.




O Festival Internacional de Filmes Curtíssimos segue em viagem por diversas capitais brasileiras e a próxima parada será o Rio de Janeiro. São 123 filmes de até três minutos, realizados por diretores do mundo todo, que serão exibidos no cinema da Caixa Cultural Rio de Janeiro nos dias 11 e 12 de setembro (sexta-feira e sábado), a partir das 17h. Os curtas estão divididos em sessões temáticas, com filmes nacionais, internacionais, animações e produções que marcaram a história do festival.

Em oito anos de realização, é a primeira vez que o Festival percorre cinco capitais com a mostra competitiva. Além da já tradicional exibição em Brasília, este ano realizada em junho, e da passagem pelo Rio, o evento estará em Curitiba, Belo Horizonte, Salvador e São Paulo. A itinerância reafirma o caráter de ampliação e divulgação de produções audiovisuais com até três minutos de duração, marca do Festival.

O Festival nasceu na França, em 1998. Em 2015 já ocorreram edições simultâneas em mais de 100 cidades. No Brasil, o evento está na 8ª edição e teve início em junho na Capital Federal.

Debate:
A programação no Rio de Janeiro inclui também o debate Os meios de produção e exibição do curta, que será realizado em 12 de setembro (sábado). Os participantes vão tratar das narrativas, estéticas e poéticas de produções curtíssimas nas novas janelas de exibição, como internet e dispositivos móveis.

Farão parte da mesa do debate o ator, diretor, roteirista e produtor, Carlos Mossy; a analista de aquisições do Canal Brasil, Rebeca Mafra; o diretor e produtor, Guilherme Whitaker; o diretor, Eduardo Morotó, e o jornalista e crítico, Rodrigo Fonseca.

O Festival pelo Brasil:
Além do Rio de Janeiro e Brasília, outras quatro capitais vão receber o Festival Internacional de Filmes Curtíssimos. A circulação segue para Curitiba nos dias 26 e 27 de setembro. Em primeiro e dois de outubro a mostra chegará a São Paulo. Nos dias 14 e 15 do mesmo mês ela passará por Belo Horizonte e, em 19 e 20 de outubro, estará em Salvador.

Na lista das produções que serão apresentadas estão filmes realizados nas próprias regiões que vão receber o Festival. Dessa forma, o público terá a possibilidade de ter contato com filmes produzidos localmente. Em todas as capitais por onde vai passar a mostra será competitiva.


Mostra do Festival Internacional de Filmes Curtíssimos
Quando? 11 e 12 de setembro de 2015, às 17h
Onde? Caixa Cultural Rio de Janeiro - Cinema 2
Avenida Almirante Barroso, 25 - Centro
Quanto? Entrada Franca

Lotação: 80 lugares (mais 2 para cadeirantes)
Mais informações: (21) 3980-3815 / filmescurtissimos.com.br


Debate "Os meios de produção e exibição do curta"
Quando? Sábado, 12 de setembro de 2015, às 15h30
Onde? Caixa Cultural Rio de Janeiro - Cinema 2
Avenida Almirante Barroso, 25 - Centro
Quanto? Entrada Franca

Lotação: 80 lugares (mais 2 para cadeirantes)
Mais informações: (21) 3980-3815 / filmescurtissimos.com.br



Saiba mais...

Dança Gamboa - 3ª edição



Evento que já faz parte do calendário cultural carioca, a terceira edição do Dança Gamboa, projeto do Galpão Gamboa, começa no próximo dia 12 de setembro. Com patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro, a mostra levará para a Zona Portuária, até o dia 1º de novembro, companhias e artistas de destaque na dança contemporânea nacional, como Cena 11 Cia de Dança, Companhia Urbana de Dança, Cia da Ideia, Gustavo Ciríaco, Claurinas - As Palhaças Bailarinas, Esther Weitzman Companhia de Dança e a Companhia REC. Ao todo, oito espetáculos irão compor a programação.

As novidades desta edição serão as residências de jovens companhias com coreógrafos já consagrados. Sonia Destri Lie, da Cia Urbana de Dança, vai ensaiar com o Grupo Efeito Urbano, do Morro da Providência. A coreógrafa, bailarina, professora e pesquisadora Thereza Rocha, por sua vez, irá colaborar com a Miúda, coletivo nascido na Unirio, formado por 15 artistas de diferentes áreas. Ao fim de cada processo, os grupos apresentarão os espetáculos gerados a partir dessa experiência conjunta, com entrada gratuita.

"Este ano o projeto amplia suas ações, promovendo encontros entre artistas de diferentes gerações, no formato de residências, abrindo um espaço de troca e colaboração que fortalece a experiência artística", comenta a atriz, bailarina e coreógrafa Marcia Rubin, que assina novamente a curadoria da mostra, ao lado do diretor, ator e produtor Cesar Augusto.

Fernando Libonati, diretor do Galpão Gamboa e sócio da produtora Pequena Central ao lado de Marco Nanini, é o responsável pela direção de produção. Os ingressos terão preços populares: R$ 20 para os espetáculos adultos e R$ 10 para os infantis, com meia-entrada para estudantes e idosos, além de descontos especiais para moradores da região da Zona Portuária.

"A edição 2015 do Dança Gamboa amplia seu raio de atenção. Celebra a dança contemporânea, mostrando também os destaques nacionais que fizeram sucesso no exterior", afirma Cesar Augusto. A mostra já tem garantida uma quarta edição em 2016.

A programação será aberta com uma estreia. Inédito na cidade, o solo Sobre expectativas e promessas, da Cena 11 Cia de Dança, de Florianópolis, terá apresentações nos dias 12 e 13/09. Em cena, o bailarino e coreógrafo Alejandro Ahmed, um dos fundadores do grupo, busca reconhecer em seu corpo as marcas dos processos de criação e dos corpos dos bailarinos com quem tem trabalhado. O espetáculo se propõe a ser um discurso organizado por músculos e ossos, instaurado pelo movimento. "Nos meus 20 anos de trajetória como diretor e coreógrafo, a minha dança e a dança do Cena 11 se fundem em um caminho identitário, que precisa ser dissecado como um objeto genealógico, tratando genealogia como um percurso de ocorrências relacionais", diz. A trilha sonora é composta e executada ao vivo por Hedra Rockenbach, também integrante do grupo, a partir dos sons e ruídos da performance.

Nos dias 26 e 27 de setembro, será a vez da Companhia Urbana de Dança com o espetáculo Na pista, celebrando os dez anos do grupo. Dirigida por Sonia Destri, a companhia é formada por jovens moradores de áreas populares do Rio, que fazem uma pesquisa entre linguagens urbanas e técnicas contemporâneas. A apresentação marca o retorno da companhia às suas raízes no subúrbio carioca. Parte da vida de jovens dançarinos, ritmos e sequências coreográficas servem de inspiração para o trabalho, cuja referência está em clássicos das pistas de dança. Ao universo dos dançarinos, a coreógrafa trouxe David Bowie, Earth, Wind & Fire, Chaka Khan e hits da dance music. Rodrigo Marçal, que assina a trilha sonora, inseriu ainda Erik Satie e De La Soul.

No fim de semana seguinte, dias 3 e 4 de outubro, a Cia da Ideia, dirigida pela coreógrafa e bailarina Sueli Guerra, vai apresentar uma programação dupla: o infantil Batuquinho e o adulto Batuque contemporâneo.

Uma criação de Sueli com o percussionista paulista Guga Machado, Batuque contemporâneo aborda uma linguagem que abraça ambas as expressões artísticas: música e dança. A união dessas linguagens desperta a sensibilidade do corpo, dialogando com a sonoridade. Partituras corporais-coreográficas são desenvolvidas a partir da música, proporcionando um espetáculo onde a dramaturgia surge de encontros do corpo tocando e da música dançando.

Constatando o encanto proporcionado nas crianças depois de uma série de apresentações em praças e espaços abertos, a companhia criou Batuquinho, uma edição infantil de Batuque contemporâneo. No espetáculo, com supervisão cênica de José Mauro Brant, uma seleção de cenas coreográficas surgem sob o olhar de um novo personagem: Antônio, vivido por Antônio Guerra, filho da diretora Sueli Guerra. Desde o seu nascimento, o menino vive uma jornada de descoberta do ritmo e do batuque. Embalado pela batida do coração, na gestação, passando pela suavidade dos acalantos até o contato do menino com os ritmos da vida. Para completar a jornada, Antônio se rende à dança e acha seu lugar no mundo entre tantos passos e ritmos.

Dias 10 e 11/10, o Dança Gamboa receberá Quem anda no chão, quem anda nas árvores, quem tem asas, do coreógrafo e performer Gustavo Ciríaco, uma criação para seis bailarinos e cantores. O espetáculo faz uma releitura contemporânea da presença do trágico na atualidade. Lançando um novo olhar sobre configurações tradicionais da tragédia e, de seu oposto, a comédia, o projeto aposta em fluxos migratórios e nos dioramas, dispositivos cênicos comuns nos museus. Após uma temporada de sucesso com o público infantil no Galpão das Artes do Teatro Tom Jobim, no Jardim Botânico, Quem anda no chão... abre a programação especial do Dia das Crianças.

Ainda em comemoração à data, o infantil Em busca do riso perdido chega à mostra nos dias 11 e 12 de outubro. Do grupo de teatro Claurinas - As palhaças bailarinas, que une a arte do clown e a do balé, a montagem conta a história de três primas/palhaças, que moram juntas e recebem uma carta de uma tia, anunciando sua visita. Quando a tia chega, as sobrinhas tem uma grande surpresa: ela está completamente diferente. Séria e silenciosa, não vê mais graça em nada. Convencidas de que algo está errado, decidem sair pela cidade à procura do riso perdido em algum lugar no caminho.

Nos dias 24 e 25 de outubro, quem se apresenta será a companhia da coreógrafa e pesquisadora Esther Weitzman, com Jogo de damas. Segundo Weitzman, o espetáculo acontece a partir dos afetos criados entre as intérpretes, da conversa entre mulheres de diferentes gerações. "É entre o lúdico e o poético que a dança singular de cada bailarina desponta em meio ao trabalho do grupo", afirma. No palco, oito intérpretes mulheres, com idades entre 24 e 53 anos, experiências e formações de dança variadas, desenvolvem o duplo sentido que dá nome à obra.

Fechando a programação, a Companhia REC, da coreógrafa Alice Ripoll, apresentará seu mais novo espetáculo , nos dias 31/10 e 1/11. , que significa "você" ou "tu" em crioulo cabo-verdiano, é uma criação sobre incorporações velozes, estados fugazes e fragmentos da memória. A pesquisa que deu origem ao espetáculo apresenta novos rumos da improvisação na dança. A partir da construção de estados, os intérpretes promovem criações instantâneas de movimentos e encontros inusitados. Além disso, o trabalho encontra inspiração em fenômenos do universo, como órbitas, magnetismo, gravidade, forças de atração e repulsa entre corpos.


Sobre expectativas e promessas
Grupo Cena 11 Cia de Dança
Datas: 12 e 13 de setembro
Horários: Sábado (21h) e domingo (20h)
Local: Galpão Gamboa
Endereço: Rua da Gamboa, 279 - Centro
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia) / R$ 5,00 (moradores da região com comprovante)
Duração: 45 minutos
Classificação etária: livre

Residência
Efeito Urbano/Sonia Destri Lie
Datas: 19 e 20 de setembro
Horários: Sábado (21h) e domingo (20h)
Entrada gratuita

Na pista
Companhia Urbana de Dança
Datas: 26 e 27 de setembro
Horários: Sábado (21h) e domingo (20h)
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia) / R$ 5,00 (moradores da região com comprovante)
Duração: 40 minutos
Classificação etária: livre

Batuquinho (infantil)
Cia da Ideia
Datas: 03 e 04 de outubro
Horários: Sábado e domingo (16h)
Ingressos: R$ 10,00 (inteira) / R$ 5,00 (meia) / R$ 2,00 (moradores da região com comprovante)
Duração: 50 minutos
Classificação etária: livre

Batuque contemporâneo
Cia da Ideia
Datas: 03 e 04 de outubro
Horários: Sábado (21h) e domingo (20h)
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia) / R$ 5,00 (moradores da região com comprovante)
Duração: 60 minutos
Classificação etária: livre

Quem anda no chão, quem anda nas árvores, quem tem asas
Datas: 10 e 11 de outubro
Horários: Sábado (19h) e domingo (19h) - horários a confirmar
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia) / R$ 5,00 (moradores da região com comprovante)
Duração: 70 minutos
Classificação etária: livre

Em busca do riso perdido (infantil)
Claurinas - As palhaças bailarinas
Datas: 11 e 12 de outubro
Horários: Domingo e segunda-feira (15h) - horários a confirmar
Ingressos: R$ 10,00 (inteira) / R$ 5,00 (meia) / R$ 2,00 (moradores da região com comprovante)
Duração: 50 minutos
Classificação etária: livre

Residência
Miúda/Tereza Rocha
Datas: 17 e 18 de outubro
Horários: Sábado (21h) e domingo (20h)
Entrada gratuita

Jogo de damas
Datas: 24 e 25 de outubro
Horários: Sábado (21h) e domingo (20h)
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia) / R$ 5,00 (moradores da região com comprovante)
Duração: 45 minutos
Classificação etária: 10 anos


Companhia REC
Datas: 31 de outubro e 01 de novembro
Horários: Sábado (21h) e Domingo (20h)
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia) / R$ 5,00 (moradores da região com comprovante)
Duração: 50 minutos
Classificação etária: 10 anos


Saiba mais...

O espetáculo "Ricardo III" faz duas apresentações na Arena Jovelina Pérola Negra


Ricardo III, adaptação da obra de Shakespeare, aborda temas atuais como a luta por poder e política, o que faz com que diferentes gerações se apaixonem pela obra do autor. As sessões acontecerão nos dias 9 e 10/09, às 15h, e, às 19h, respectivamente, na Arena Jovelina Pérola Negra. As apresentações são gratuitas e a classificação da peça é de 16 anos.

O ator que conduz o monólogo, Gustavo Gasparani, sobe ao palco interpretando diversos personagens, alternando narração e dramatização. O espetáculo rendeu a Gasparani as indicações aos Prêmios Shell, Cesgranrio APTR e FITA de atuação. A peça possui uma linguagem popular que transita entre a construção poética original de Shakespeare e intervenções narrativas para revelar a alma humana.

Encenada pela primeira vez entre 1592 e 1593, a peça se passa no final da Guerra das Rosas (1455-1485), conflito sucessório pelo trono da Inglaterra ocorrido entre 1455 e 1485 que coloca em choque político os dois ramos da dinastia Plantageneta: a Casa Real de York e a Casa Real de Lancaster. Ricardo, Duque de Gloucester que de fato governou a Inglaterra de 1483 a 1485, não sente remorso algum ao eliminar seus adversários, tramando complôs, traindo familiares e se casando por interesse com o único fim de chegar ao trono.

Ficha técnica:
Autor: William Shakespeare
Adaptação: Gustavo Gasparani e Sergio Módena
Tradução em verso: Ana Amélia Carneiro de Mendonça
Direção: Sergio Módena
Ator: Gustavo Gasparani
Música original e direção musical: Marcelo Alonso Neves
Direção de Movimento: Marcia Rubin
Cenário: Aurora dos Campos
Figurino: Marcelo Olinto
Iluminação: Tomás Ribas
Fotografia: Nil Caniné
Operação de som: Luiz Fernando Lopes
Operação de luz: Thiago Monte
Contrarregra: João Paulo Santos
Produção: Camila Martins Ribeiro e Marcelo Cabanas | Bateia Cultura
Realização: Coisas Nossas Produções Artísticas


Ricardo III
Quando? 9 e 10 de setembro, às 15h e às 19h
Onde? Arena Jovelina Pérola Negra
Praça Ênio, s/n - Pavuna
Quanto? Entrada gratuita

Classificação: 16 anos
Mais informações: (21) 2886-3889


Saiba mais...

Amores Difíceis


Estreia na Caixa Cultural Rio de Janeiro, em 10 de setembro (quinta-feira), o espetáculo Amores Difíceis, da Súbita Companhia de Teatro, de Curitiba. Na peça, quatro atores buscam referências em cenas teatrais clássicas de autores como William Shakespeare, Federico García Lorca e Anton Tchecov para encenar o conto Aventura de um esposo e uma esposa, de Ítalo Calvino - que narra o dia a dia de um casal que praticamente não se encontra. Pela primeira vez no Rio de Janeiro, o grupo fará seis apresentações até o dia 19 de setembro, de quinta a sábado, sempre às 19h.

Em Amores Difíceis, os artistas falam sobre o amor e criam um jogo que questiona os limites entre realidade e ficção, entre personagens e atores. "Buscamos redimensionar o cotidiano colocando uma lente de aumento nos pequenos gestos da nossa rotina. Olhamos para o amor e seus embates com a liberdade que o tema carrega, na tentativa de considerá-lo como algo a ser descoberto", define Maira Lour, que assina a direção e dramaturgia.

A passividade e a dureza presentes em A gaivota, de Tchecov, em contraponto com a passionalidade e a fúria de Bodas de sangue, de García Lorca, permeiam o espetáculo e geram reflexões nos próprios atores em cena. Afinal, o que realmente sabemos sobre o amor?

A abordagem de um tema tão comum nas artes revela o desafio de compreender sua amplitude de uma forma autoral. A assinatura cênica da Súbita Companhia de Teatro imprime autenticidade à poética do espetáculo, que é marcada pela pesquisa continuada em teatro físico e dramaturgia do gesto.

O premiado cenógrafo Fernando Marés e o iluminador Beto Bruel criam ambientes que demarcam a realidade e a ficção. Uma grade de luz sobre um pequeno palco angulado no centro do espaço cênico revela a metalinguagem tratada no espetáculo. Ali acontecem as cenas da ficção, ponto de partida para os questionamentos que acontecem numa área externa que remete a uma sala de ensaios, mesclando os ambientes e encurtando a distância entre arte e vida.

A trilha sonora criada por Vadeco sensibiliza o público em momentos pontuais e traz atmosferas intensas, passando por sensações de frieza, paixão, rotina, desilusão e desespero presentes no cotidiano de qualquer casal.

O espetáculo estreou em 2013, em Curitiba, e participou de diversas mostras e festivais. Recebeu o prêmio de melhor iluminação no 10º Festival de Teatro da Amazônia e foi indicado ao Troféu Gralha Azul nas categorias melhor espetáculo e melhor direção (para Maíra Lour).

Oficina:

Além do espetáculo, no dia 18 de setembro (sexta-feira), às 13h30, será ministrada uma Oficina de Sensibilização Teatral, com 4 horas de duração, em que a companhia compartilhará algumas metodologias de criação. Serão oferecidas 20 vagas para estudantes de teatro e atores a partir de 16 anos. Para se inscrever, basta enviar e-mail com o assunto "Oficina Caixa Cultural" para contato@subitacompanhia.com, com nome completo e número de celular, até o dia 16 de setembro. Os participantes realizarão exercícios de preparação e prontidão do corpo para a criação, expressão corporal, descoberta de repertório de movimento e improvisação.

Ficha Técnica:

Direção e Dramaturgia: Maira Lour
Assistente de Direção: Vitor Schuhli
Elenco: Alexandre Zampier, Helena Portela, Janaina Matter e Pablito Kucarz
Cenário: Fernando Marés
Figurino: Eduardo Giacomini
Iluminação: Beto Bruel
Operação de Luz: Lucri Reggiani
Trilha Sonora: Vadeco
Operação De Som: Helen Kaliski
Preparação Corporal: Juliana Adur
Preparação de Ator: Tonio Luna
Fotografia: Marco Novack
Produção e Administração: Pró Cult / Michele Menezes
Assistente de Produção: Victor Hugo Santos
Realização: Súbita Companhia de Teatro


Amores Difíceis
Quando? 10 a 19 de setembro de 2015 (quinta-feira a sábado)
Onde? CAIXA Cultural Rio de Janeiro - Teatro de Arena
Avenida Almirante Barroso, 25 - Centro
Quanto? R$ 20,00 (inteira) / R$ 10,00 (meia)

Duração: 60 min
Lotação: 226 lugares (mais 4 para cadeirantes)
Classificação Indicativa: 16 anos

Mais informações: (21) 3980-3815


Saiba mais...

Madrugada no Centro


O Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro promove a terceira edição do projeto Madrugada no Centro, de setembro de 2015 a fevereiro de 2016.

O evento, que tradicionalmente ocorre na área externa do CCBB-RJ, recebe seis festas ao todo, sendo uma por mês, e mistura DJs conhecidos do grande público e artistas convidados, compondo um set list temático para cada edição. Sempre aos sábados, das 23h às 4h, com ingressos a preço popular.

O evento abre no dia 5 de setembro, com a festa Disritmia, conduzida pela DJ Lili Prohmann, que recebe Rita Benneditto e o DJ Marcelinho da Lua em um live especial, com os músicos Fred Ferreira (guitarra) e Lancaster Lopes (baixo).

O projeto pretende resgatar a tradição boêmia e musical do Centro do Rio, em linha com o movimento de revitalização da região. Madrugada no Centro é o convite para uma viagem à musicalidade carioca.

A festa faz parte de um viradão que celebra o último fim de semana da exposição Picasso e a Modernidade Espanhola, em cartaz no CCBB Rio. Nos dias 5 e 6 de setembro, a exposição estará aberta das 9h de sábado às 21h de domingo, com entrada franca.



Madrugada no Centro

Quando? 5 de Setembro, às 23h
Onde? Estacionamento do CCBB-RJ
Rua Primeiro de Março, 66 - Centro
Quanto? R$ 10,00 (inteira) / R$ 5,00 (meia)

Classificação: 18 Anos

Saiba mais...

Feira Planetária de Food Truck completa 1 ano de sucesso


Consolidada na Zona Sul, no Planetário da Gávea, como o evento gastronômico de maior frequência na cidade do Rio, a Feira Planetária completa 1 ano de sucesso. O evento já realizou 12 edições e atingiu um público de 100 mil visitantes.

A Feira Planetária traz em sua curadoria uma seleção de chefs e trucks que busca o equilíbrio de sabores, qualidade e novidades. No evento é possível desfrutar desde excelentes pratos como o arroz de pato do Delfina Food Truck, combinações contemporâneas do Chef Frederic de Mayer, às mais inusitadas criações dos Ogros do Burgertopia, o sanduíche de barriga de porco do Espírito de Porco, a batata rustica belga do Food Truck Frites, até as originais empanadas argentinas. São sanduíches gourmets, tapiocas, brownie, sorvetes, risotos e massas.


Feira Planetária de Food Truck
Quando? 5, 6 e 7 de setembro
Onde? Jardins do Planetário da Gávea
Rua Vice Governador Rubens Berardo, 100 - Gávea
Quanto? Entrada franca

Atenção! Não haverá estacionamento no local.


Saiba mais...

Festa Wobble com Branko e Scratcha*DVA


O filho pródigo à casa torna, portanto, de volta ao inferninho de Copacabana. E dessa vez a Wobble traz dois produtores "bolados" de destaque internacional.

O primeiro é o inglês Scratcha*DVA, inédito no Rio e respeitado mundialmente como um dos cabeças do selo Hyperdub. Sua discotecagem tem muito UK funky e grime.

O segundo é o português Branko, integrante do grupo Buraka Som Sistema e que lança na ocasião o seu primeiro disco Atlas (Enchufada), gravado em várias partes do mundo, inclusive no Brasil.

Além dos DJs residentes Rodrigo S, Marginal Men e Fabio Heinz completando o time no subsolo, o andar de cima (FosfoBar) fica por conta dos beats de Cybass (Beatwise Recordings) e Swinga (INVDRS).


Festa Wobble com Branko e Scratcha*DVA
Quando? Domingo, 6 de setembro, às 22h
Onde? Fosfobox Bar / Club
Rua Siqueira Campos, 143 - Copacabana
Quanto? R$ 40,00 (lista até 0h) / R$ 50,00 (lista após 00h) / R$ 60,00 (sem lista)

Lista, dúvidas e aniversários: festawobble@gmail.com
Capacidade 300 pessoas.
Mais informações: (21) 2547 5976 / fosfobox@fosfobox.com.br


Saiba mais...

Festival Curta com Teatro apresenta filmes e peças no Forte de Copacabana


No dia 5 de setembro o Forte de Copacabana recebe o Festival Curta com Teatro. O evento gratuito apresenta o curta-metragem O Cinegrafista de Rondon, de Jurandyr Noronha, além da peça O Caixeiro da Taverna, de Martins Pena.

O Festival acontece de março a dezembro todo 1º sábado do mês, no Forte de Copacabana e todo o 3º domingo do mês no Salão das Bandeiras do Museu Militar Conde de Linhares.

Programação:

Filme: O Cinegrafista de Rondon, de Jurandyr Noronha
Expedições do Marechal Rondon, o bandeirante do século XX, filmadas na Amazônia.

Peça: O Caixeiro da Taverna, de Martins Pena
Um caixeiro finge estar apaixonado por sua patroa, ambicionando se tornar sócio dela. O amigo e esposa tentam ajuda-lo, mas um militar muito correto resolve esclarecer tudo. Elenco: Dionis Tavares e Hissa de Urkiola.


Festival Curta com Teatro 2015
Quando? 5 de setembro, às 18h
Onde? Forte de Copacabana
Praça Coronel Eugênio Franco, 1 - Posto 6 - Copacabana
Quanto? Evento gratuito



Saiba mais...

Rio recebe a TRIO Bienal, sua primeira bienal internacional de arte contemporânea, em setembro

Com obras de 160 artistas de 44 países, evento acontece até novembro em onze dos principais centros e museus da cidade




O mês de setembro será um marco histórico no circuito carioca das artes e na agenda oficial de eventos internacionais da cidade quando, dia 5, domingo, o Rio sediar a TRIO Bienal, sua primeira bienal internacional de arte contemporânea em torno do tridimensional, seguindo os passos das já consagradas bienais de Veneza e a de São Paulo, a segunda mais importante bienal do mundo e que promove um fluxo de visitantes em torno de 450 mil pessoas. Agora será a vez da Cidade Maravilhosa, que vem recebendo, nos últimos anos, feiras internacionais de arte (ArtRio e ARTIGO Rio), possui sólida tradição escultural - do Neoconcretismo à Arte Cinética - e que sempre foi o ponto central da investigação tridimensional brasileira através de nomes como Sérgio Camargo, Franz Weissmann, Amílcar de Castro, Abraham Palatnik, Helio Oiticica, Lygia Clark, Waltécio Caldas, Nélson Leirner, dentre muitos outros que nasceram ou construíram suas carreiras no Rio.

Com produção executiva de Alexandre Murucci e curadoria de Marcus de Lontra Costa - um dos mais importantes curadores brasileiros, que assinou a icônica mostra Como vai você, Geração 80? e foi diretor do MAM - Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, a TRIO Bienal irá acontecer, até 26 de novembro, reunindo 160 artistas de 44 países, em exposições e eventos distribuídos em onze diferentes localidades, incluindo os principais museus, centros e instituições culturais privadas, do Estado, do Município do Rio de Janeiro e do Governo Federal e as aberturas acontecerão de 5 a 11 de Setembro, duas vezes por dia, durante uma semana.

Todas as obras abordarão o tridimensional - escultura, instalações, objetos - assim como, em todos os seus campos ampliados - pintura, fotografia, performance, vídeo e outros suportes enquanto investigação tridimensional - além de pontuações históricas de apoio sobre o tema curatorial: Quem foi que disse que não existe amanhã?, verso de letra de uma música do rapper Marcelo D2, pinçada num momento de incertezas e crise, tanto no Brasil quanto no mundo, sintetizando a persistência do caráter projetual e utópico da arte, que sobrevive, mesmo no terreno movediço do pensamento contemporâneo.

Este diferencial foi importante na boa recepção do projeto mundialmente, e por conta disto, recebeu chancela da Biennial Foundation, excepcionalmente mesmo antes da primeira edição, conseguindo a adesão de 44 países, convidados com o apoio da Coordenadoria de Relações Internacionais da Prefeitura do Rio.

A cerimônia oficial de abertura será no dia 5, sábado, às 15h, no Centro Cultural Oscar Niemeyer, com o apoio da FVG e do Instituto Niemeyer de Políticas Urbanas e Culturais, onde será inaugurada a exposição Celebrando Franz Weissmann, um dos maiores nomes da escultura brasileira e do Movimento Neoconcreto em todo o mundo, com suas obras de grande escala no terraço do complexo.

O público poderá conferir de perto obras de arte dos mais renomados artistas, como Marina Abramovic, Joana Vasconcelos, Daniel Buren, Xavier Veilhan, Los Carpinteros, Vik Muniz, Marepe, Anna Bella Geiger, Joseph Kosuth, Han Ho, Eliane Prolik, Diango Hernandez, além da performance do paulista Rodolpho Parigi - Levitação (Fancy Violence), que abre a sala do Centro Cultural Banco do Brasil às 19h do dia 7 de setembro.

A TRIO Bienal faz parte das comemorações dos 450 anos do Rio de Janeiro, um novo e importante empreendimento artístico que passa a integrar o calendário oficial da cidade. Como um evento de arte internacional, a Bienal tem como meta fortalecer a posição do Rio de Janeiro como destino global, em geral e em especial no circuito internacional de arte contemporânea, atraindo a média de audiência típica de mostras deste foco, que é de 300 mil visitantes externos nas cidades que o promovem, segundo dados da Biennial Foundation.

Agenda:

7 de Setembro - Mostra Forma e matéria
Limites do Tridimensional em Campos Expandidos: Um olhar sobre conceitos matéricos na produção tridimensional, obras que exploram os limites da investigação da forma, apresentando obras perecíveis, orgânicas, comestíveis, invisíveis, atômicas, sonoras, residuais, robóticas, mecânicas e tecnológicas, além de outras que atingem áreas da criação tridimensional em seus campos expandidos – pintura, fotografia, desenho, vídeo e performance. Inclui a performance Levitação, do artista Rodolpho Parigi (Fancy Violence) no dia 7, das 19 às 20h.

©Marcos Chaves - Wadi Rum Camels
Artistas:
Beth Jobim - Rio de Janeiro
Celina Portella - Rio de Janeiro
Débora Engel - Rio de Janeiro
Diango Hernández - Cuba
Eliane Prolik - Paraná
Floriano Romano - Rio de Janeiro
Gisele Camargo - Rio de Janeiro
Guillermo Mora - Espanha
Han Ho - Coréia do Sul
©Marcelo Silveira - Caledoscópio
Joseph Kosuth - USA
Marcelo Silveira - Pernambuco
Marcos Chaves - Rio de Janeiro
Marina Abramović - Sérvia
Pedro Motta - Minas Gerais
Rene Rietmeyer - Holanda
Rodolpho Parigi - São Paulo
Tiago Tebet - São Paulo
Tom Dale - Reino Unido
Valerie Hegarty - EUA
Vanderley Lopes - Rio de Janeiro
Zavén Paré - França
Ximena Yutronic - Chile

Quando? de quarta a segunda feira, das 9h às 21h
Onde? CCBB-RJ - Centro Cultural Banco do Brasil
R. Primeiro de Março, 66 - Centro.

Informações: (21) 3808-2020


8 de Setembro - Mostra Celebrando Franz Weissmann
Mostra de obras de Franz Weissmann, celebrando o artista.

Quando? de segunda a sábado, das 8 às 18h
Onde? Centro Cultural Oscar Niemeyer - FGV
Praia de Botafogo, 186 - Botafogo

Informações: (21) 3799-6000 / 98505-3881


8 de Setembro - Mostra Utopias
Pretéritos da Contemporaneidade: Mostra com obras tridimensionais de enfoque político ou social, dividida em dois focos - Embates e Conflitos. No enfoque Embates - apresentando questões universais e atávicas de fricções sociais e históricas, tanto filosóficas quanto permanentes. Em Conflitos - um enfoque sobre o momento de crises, no Brasil e no mundo, confrontando questões de território, diásporas, êxodos, identidades e esperanças. Dentro do tema da TRIO Bienal Quem foi que disse que não existe amanhã?, este módulo se coloca como sua reflexão principal.

© Ayrson Heráclito
Artistas:
Afonso Tostes - Rio de Janeiro
Alex Flemming - São Paulo
Alexandre Colchete - Rio de Janeiro
Alia Al Farsi - Omã
Ana Miguel - Rio de Janeiro
Anna Bella Geiger - Rio de Janeiro
Armando Queiroz - Pará
Ayrson Heráclito - Bahia
Betelhem Makonenn - Etiópia
Carlos Melo - Pernambuco
Cat Auburn - Nova Zelandia
Cildo Meirelles - Rio de Janeiro
Claudia Hersz - Rio de Janeiro
©Anna Bella Geiger - Circa MMXV
Deyson Gilbert - Pernanbuco
Fábio Carvalho - Rio de Janeiro
Faig Ahmed - Azerbaijão
Felipe Barbosa - Rio de Janeiro
Haytham Nawar - Egito
Isaque Pinheiro - Portugal
José Rufino - Paraíba
Karlyn de Jongh - Holanda
Khaled Hafez - Egito
Los Carpinteros - Cuba
Lourival Cuquinha - Pernambuco
Mahmoud Obaidi - Iraque
Marcelo Silveira - Pernambuco
Matheus Rocha Pitta - Rio de Janeiro
Matter Bin Laheg - UAE
Mauricio Ruiz - Rio de Janeiro
Michal Martychowiec - Polônia
©Paul Ramirez Jonas
Mounir Fatmi - Marrocos
Nelson Félix - Rio de Janeiro
Paul Ramirez Jonas - Honduras
Paulo Nazareth - Minas Gerais
Rashid Al Khalifa - Bahrain
Regina de Paula - Rio de Janeiro
Reginaldo Pereira - São Paulo
Rok Bogataj - Eslovênia
Sadik AlFraji - Iraque
Shilpa Gupta - India
Sholpan Sharbakova - Kazaquistão
Susan Mains - Granada
Tom Dale - Reino Unido
Vik Muniz - Rio de Janeiro
Vincent JF Huang - Vanuatu
Vitor Cesar - Ceará
Washington Silvera - Paraná

Quando? de terça a domingo, das 10 às 17h
Onde? Memorial Getúlio Vargas
Praça Luis de Camões, 1, Glória

Informações: (21) 2245-7577 / (21) 2557-9444


8 de Setembro - Mostra Reverberações
Cruzamentos Universais de Tridimensionalidade: Um panorama da investigação tridimensional, no que tange sua relação com a vida cotidiana, suas conexões e cruzamentos com outras áreas criativas que preenchem a vida real – o design, a arquitetura, a ciência, a moda, a literatura, a memória. Um recorte no triunfo dos preceitos duchampianos que hoje se contrapõem à nossa vida cada vez virtual, dando à ordem física do mundo, uma função mais necessária e ampla.

©Felippe Moraes - Série Tubos Sonoros
Artistas:
Alexandre Mazza - Rio de Janeiro
Alessandra Vaghi - Rio de Janeiro
Asher Mains - Granada
Ana Linnemann - Rio de Janeiro
C.L. Salvaro - Curitiba
Cristián Silva-Avaria - Chile
Daniel Acosta - Rio Grande do Sul
Evandro Soares - Goiás
Felippe Moraes - Rio de Janeiro
Gabriela Noujaim - Rio de Janeiro
Gisela Milman - Rio de Janeiro
Leo Videla - Rio de Janeiro
Luciano Zanette - Rio Grande do Sul
Luiz Monken - Rio de Janeiro
Monica Penazzi - Italia (a/c de Nuno Ribeiro)
Osvaldo Carvalho - Rio de Janeiro
Rashid Al Khalifa - Bahrein
Rodrigo Matheus - São Paulo
Rodrigo Sassi - São Paulo
Rommulo Vieira Conceição - Bahia
Tom Dale - Reino Unido
Toz - Bahia

Quando? de segunda a sábado, de 9h até 21h
Onde? IED - Istituto Europeo di Design
João Luís Alves, 13 - Urca

Informações: (21) 3683-3786


10 de Setembro - Mostra Gravidade
Tensão e Elasticidade: Obras em que o foco de investigação tridimensional são equações de tensionamentos e coeficientes de elasticidade usados como parâmetro de construção de uma ideia formal e tendo como embate, a força gravitacional como vetor externo, na composição final do objeto artístico.

Artistas:
Lara Felipe - Espirito Santo
Marc Schmtiz - Mongólia
Maxim Malhado - Bahia
Osvaldo Gaia - Pará
Tobias Putrih - Eslovênia
Xavier Veilhan - França

Quando? de quarta a segunda feira, das 12h às 17h
Onde? Museu Castro Maya
Rua Murtinho Nobre, 93 - Santa Teresa

Informações: (21) 3970-1126


10 de Setembro - Mostra Grafias e Bordados, de Regina Silveira (Paralela TRIO)
A TRIO Bienal 2015 tem a honra de ter a grande dama da arte contemporânea brasileira entre suas mostras paralelas. Especialmente convidada para o projeto Os Amigos da Gravura dos Museus Castro Maya, a artista apresenta o uso inusitado que vem fazendo dos bordados em ponto de cruz, ferramenta que aponta para um aspecto performativo em seu trabalho. Nesta linha de pesquisa, a artista tem composto obras extensas para revestir arquiteturas de grande porte, como o MASP e o pórtico interior do Museu Amparo (Puebla, México).

Quando? de quarta a segunda feira, das 12h às 17h
Onde? Museu Castro Maya
Rua Murtinho Nobre, 93 - Santa Teresa

Informações: (21) 3970-1126


10 de Setembro - Mostra Gravidade
Equilíbrio e Balanço: Trabalhos em que a força gravitacional é o vetor principal da investigação do artista, seja como parâmetro real, quântico, seja como simulacro estético/poético de criação tridimensional, onde a fatura final da obra apresenta sempre a questão do equilíbrio e a dinâmica do balanço com razão estética.

©Tulio Pinto - Abismo #2
Artistas:
Ana Dantas - Rio de Janeiro
Dane Mitchel - Nova Zelândia
Flávio Cerqueira - Rio de Janeiro
Fyodor Pavlov-Andreevich - Russia
Joseph Klibansky - Holanda
Manfred Kielnhofer - Austria
Nazareth Pacheco - Rio de Janeiro
Raul Mourão - Rio de Janeiro
Tulio Pinto - Rio Grande do Sul

Quando? de terça feira a domingo, das 8h às 20h
Onde? Centro Cultural Parque das Ruínas
Rua Murtinho Nobre, 169 - Santa Teresa

Informações:: (21) 2215-0621


11 de Setembro - Mostra Reflexões sobre o Reflexo
Dinâmicas do Cinetismo no Tridimensional: Uma mostra que explora questões de espelhamentos e opacidades na construção tridimensional, a partir de obras que tem como dinâmica propor uma leitura do reflexo, como possibilidade cinética do objeto escultórico, numa tradição que começa em Brancusi e vai até Anish Kapoor.

Artistas:
Anish Kapoor - Reino Unido
Arthur Lescher - São Paulo
Bruno Borne - Rio Grande do Sul
Cildo Meireles - Rio de Janeiro
Cláudio Alvarez - Argentina
Cleber Machado - São Paulo
Constantin Brancusi - Romênia
Elian Stolarsky - Uruguai
Eliane Prolik - Paraná
Heleno Benardi - Rio de Janeiro
Hilal Sami Hilal - Espirito Santo
Hugo Mendes - Paraná
Ivan Navarro - Argentina
Marcia Xavier - Minas Gerais
Marta Jourdan - Rio de Janeiro
Mônica Piloni - São Paulo
Valeska Soares - Minas Gerais
Vauluizo Bezerra - Sergipe

Quando? de terça a sexta-feira, das 10 às 18h
Sábados, domingos e feriados, das 12 às 17h
Onde? Museu Nacional de Belas Artes
Av. Rio Branco, 199 - Centro

Informações: (21) 3299-0600


11 de Setembro - Instalação "Ambos Mundos", de Gê Orthof
Inclui a performance Movimento Pendular, de Felippe Moraes, no dia 11, às 16h.

Quando? de terça feira a domingo, das 12 às 18h
Onde? Paço Imperial
Praça Quinze de Novembro, 48 - Centro

Informações: (21) 2533-4359


12 de Setembro - Mostra Transversalidades das Identidades Tropicais
Uma visão da produção tridimensional que tem como resultados formais, transbordamentos de cores e matérias que unem identidades de uma certa latitude tropical, encontradas em artistas de todo o mundo e que reverberam ideários estéticos caros à movimentos importantes na produção da arte brasileira, como a Tropicália, as Vanguardas Pops, a cultura carnavalizante, o Barroco, a cultura popular e outras conexões de lastro emocional-estéticos.

©Daniel Buren - Cores, luz, projeção,
sombras, transparência
Artistas:
Almandrade - Bahia
Andrea Brown - Rio de Janeiro
Barrão - Rio de Janeiro
Bruno Miguel - Rio de Janeiro
Camille Kachani - São Paulo
Carina Bokel Becker - Rio de Janeiro
Carlos Krauz - Rio Grande do Sul
Daniel Buren - França
Deneir Martins - Rio de Janeiro
Denise Milan - São Paulo
Estela Sokol - São Paulo
Henrique Oliveira - São Paulo
Joana Vasconcelos - Portugal
Laerte Ramos - São Paulo
Leandro Gabriel - Minas Gerias
Luiz Hermano - Ceará
Marcelo Jácome - Rio de Janeiro
Marepe - Bahia
Maria Nepomuceno - Rio de Janeiro
Marie Helene Mercier - Rio de Janeiro
Nelson Leirner - São Paulo
Pedro Paulo Domingues - Rio de Janeiro
Raphaël Zarka - França
Raquel Nava - Rio de Janeiro
Sanagê Cardoso - Distrito Federal
Vivian Caccuri - São Paulo

Quando? de terça a sexta feira, das 10h às 17h30
Sábados, domingos e feriados das 14 às 18 h
Onde? Museu Histórico Nacional
Praça Marechal Âncora, s/n - Centro

Informações: (21) 3299.0324


Saiba mais...

Dobradinha teatral na Arena Jovelina

"Deu a louca nos contos infantis" e "Vende-se uma alma" terão sessões no dia 6 de setembro, às 17h e 19h




O espetáculo infantil Deu a louca nos contos infantis chega à Arena Jovelina Pérola Negra no dia 6 de setembro, domingo, às 17h. Já a comédia dramática Vende-se uma alma faz apresentação na mesma data, às 19h. A classificação indicativa é de 12 anos. Os ingressos das duas peças custam R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia-entrada).

A peça Deu a louca nos contos infantis se passa em um reino encantado onde coisas inesperadas podem acontecer. Na história, tudo estava em harmonia até que um bruxo malvado se aliou ao mosquito da dengue e deixou os personagens cheios de preocupações. Assim, o texto aborda a questão da doença, esclarecendo os seus malefícios e formas de prevenção. Já o espetáculo Vende-se uma alma conta a história de uma mulher solitária que resolve vender sua alma, fazendo o público refletir sobre seus conflitos e comportamento.

Ficha técnica:

Deu a louca nos contos infantis

Texto: Antonio Martins
Direção: Rosa Motta
Produção: Cia Os encenadores teatrais
Iluminação: Rosa Motta
Sonorização: Rafa Lage
Figurinos: Rosa Motta
Costureira: Gleuza Zanetti
Cenários: Rosa Motta e Antonio Martins
Elenco: Larissa Morais, Sandra França, Gy Nascimento, Antonio Martins e Ruan Carlos

Vende-se uma alma

Texto: Luiz Guarnier
Direção, iluminação e figurino: Rosa Motta
Produção: Cia Os Encenadores Teatrais
Sonorização: Rafa Lage
Costureira: Gleuza Zanetti
Cenários: Rosa Motta e Antonio Martins
Elenco: Sandra França, Antonio Martins, Alan Antunes, Ruan Carlos e Gleuza Zanetti


Deu a louca nos contos infantis
Quando? Domingo, 6 de setembro, às 17h
Onde? Arena Jovelina Pérola Negra
Praça Ênio, s/n - Pavuna
Quanto? R$ 10,00 (inteira) / R$ 5,00 (meia)
Classificação: livre

Vende-se uma alma
Quando? Domingo, 6 de setembro, às 19h
Onde? Arena Jovelina Pérola Negra
Praça Ênio, s/n - Pavuna
Quanto? R$ 10,00 (inteira) / R$ 5,00 (meia)
Classificação: 12 anos

A Arena possui acesso para deficientes físicos e estacionamento gratuito
Capacidade: 330 sentados
Mais informações: (21) 2886-3889


Saiba mais...

7ª Seleção Brasil em Cena

Autores de todo o país já podem enviar seus textos inéditos para a 7ª edição do Seleção Brasil em Cena. Promovido pelo Centro Cultural Banco do Brasil, o concurso nacional de dramaturgia que tem como principal objetivo fomentar a criação de textos teatrais inéditos por meio de novos dramaturgos. As inscrições poderão ser feitas até o dia 24 de setembro. O material será recebido somente pelo site oficial do projeto - www.selecaobrasilemcena.com.br - onde também estarão disponíveis o regulamento na íntegra e informações sobre todas as edições anteriores.

A nova ferramenta criada para fazer o cadastramento unicamente on-line vai gerar um banco de textos. O material enviado ficará disponível para consulta após o término do concurso. A informatização do processo de seleção é uma das novidades da sétima edição do Seleção Brasil em Cena. Além do CCBB Rio de Janeiro e da unidade de Brasília, o projeto acontecerá pela primeira vez no CCBB de Belo Horizonte. Este ano, os participantes também poderão inscrever textos do segmento infanto-juvenil.

O Seleção Brasil em Cena receberá textos inéditos de todo o Brasil. Os inscritos serão avaliados por uma comissão julgadora formada por profissionais das artes cênicas. O júri só conhecerá os nomes dos autores após a escolha dos finalistas, que serão revelados no site do projeto no dia 22 de outubro. Serão selecionados 12 textos finalistas e realizados ciclos de leituras dramatizadas, entre os dias 21 de novembro e 6 de dezembro, simultaneamente nas três unidades participantes.

Durante as leituras dramatizadas, serão eleitos os três textos vencedores (um em cada cidade), por meio do voto dos diretores e do público. Em cada lugar, as leituras serão realizadas com alunos de escolas de teatro sob a direção de profissionais do mercado de artes cênicas. Os três autores vencedores serão revelados no dia 6 de dezembro. Eles terão como prêmio suas montagens patrocinadas pelo Banco do Brasil e ganharão temporadas nos teatros das unidades do CCBB do Rio, Belo Horizonte e Brasília, a partir de março de 2016.

Desde sua criação em 2006, o Seleção Brasil em Cena já recebeu mais de 1.400 textos de autores de todo o Brasil. As leituras dramatizadas foram dirigidas por expressivos nomes do teatro brasileiro contemporâneo: Moacir Chaves, Ivan Sugahara, Gilberto Gawronski, Stella Miranda, Paulo de Moraes, André Paes Leme, Inez Viana, entre outros. Ao longo das seis edições, quase 300 atores indicados por escolas de teatro participaram das leituras e encenações. "Além de contribuir para formação de plateia, o concurso tem o mérito de inserir novos atores de escolas de teatro no mercado de trabalho. As leituras dramatizadas os colocam em contato direto com diretores experientes do mercado de artes cênicas", ressalta o produtor Sérgio Saboya, idealizador do projeto.

Como parte do projeto de estimular o fomento à nova dramaturgia, a formação de plateia e a visibilidade de novos criadores, o Seleção Brasil em Cena promove Oficinas de dramaturgia ministradas por importantes dramaturgos brasileiros. Nesta edição, as oficinas acontecerão em São Paulo (SP), Campinas (SP), Palmas (TO) e no Rio de Janeiro (RJ), nas unidades do Sesc.

As etapas do Seleção Brasil em Cena:

Entre 24 de agosto e 24 de setembro: inscrições dos textos no site do concurso.
Dia 22 de outubro: anúncio dos doze textos selecionados em cada cidade (Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte).
Entre 21 de novembro e 6 de dezembro: leituras dramatizadas nas três unidades do CCBB do Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília.
Dia 6 de dezembro: anúncio dos três textos finalistas que serão montados em 2016.
A partir de março de 2016: montagens dos três textos vencedores nos teatros das três unidades do CCBB participantes.

Mais informações: www.selecaobrasilemcena.com.br


Saiba mais...

Última Semana: "Plasticidades: Plástico + Design" no Shopping Metropolitano Barra

Roupas de banho ecológicas, bolsas feitas de banners reciclados e joias com telas de mosqueteiros estão entre as mais de 100 peças de designers do Brasil e de outros 15 países



Depois de Milão, Buenos Aires e São Paulo, a exposição internacional Plasticidades: Plástico + Design chega pela segunda vez ao Rio de Janeiro. A exposição fica no Shopping Metropolitano Barra, até 6 de setembro.

Ao todo, estão expostas cerca de 100 peças, do Brasil e de outros 15 países (Alemanha, Argentina, Áustria, Bélgica, Canadá, China, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Holanda, Inglaterra, Itália, Suíça, Tailândia e Venezuela). São criações de renomados designers estrangeiros, como Karim Rashid, Zaha Hadid, Gaetano Pesce e J-me Studio, e brasileiros, como os Irmãos Campana, Gilson Martins, Zanini de Zanine, Mana Bernardes e Renata Moura. O objetivo da exposição é surpreender os visitantes com produtos de design inusitado e bem-humorados, todos com o plástico como principal matéria-prima.

"Tive a ideia da exposição há 12 anos, depois de escrever uma série de reportagens cujo tema principal era o plástico. Eu casei a matéria-prima com o design e, aí, nasceu Plasticidades: Plástico + Design", diz a curadora Andréa Magalhães.

Dentre as novidades da 5ª edição da exposição, estão as roupas de banho ecológicas, das sócias Itee Soni e Heather Kaye, da Finch Designs (China), feitas com garrafas PET recicladas; as bolsas produzidas com banners reciclados, das espanholas Marcela Manrique, Liliana Andrade e Eleonora Parachini (Demano); os móveis da ZON Design, produzidos pela Tramontina (que, além de panelas de aço inox e facas, possui uma linha de móveis de design em plástico); a coleção Miniatures, da Melissa; produtos da gigante alemã Koziol; joias da designer Valeria Nunes, cuja matéria-prima principal é tela de mosquiteiro; e vasos de resina de poliéster, criados por alunos do curso de Desenho Industrial, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Plasticidades: Plástico + Design também terá um espaço especial, denominado Lounge Plástico, criação de Paulo Andrade, onde ocorrerão talk shows com representantes de empresas e designers, que produzem com os mais diversos tipos de plástico (poliuretano, polipropileno, acrílico, vinil etc.).

De acordo com a gerente de marketing do Shopping Metropolitano Barra, Luciane Treigher, o shopping incentiva projetos culturais de sustentabilidade. "Temos uma parede verde natural que foi produzida com material 100% sustentável, feita a partir de garrafas pet recicladas. A exposição Plasticidades chega para somar com arte e ideias de nova utilização de um mesmo material".

Com realização da Altherswanke Comunicação e curadoria da jornalista Andréa Magalhães, o evento conta com o patrocínio das empresas: Tramontina, Vulcan, Shopping Metropolitano Barra, Air Show, Revista Escala e Esfera Air Design. E apoio da Koziol, Gispen, Melissa e A&S Importadora. A conceituação do projeto arquitetônico é do escritório A + F Projetos, de Franklin Iriarte e Andréa Menezes. O projeto de design e ambientação é do escritório Servino & Assed, de Rosane Servino e Juliene Assed de Carvalho. Josué Fernando é o designer gráfico da exposição e Filipe Marques, o consultor web.


Plasticidades: Plástico + Design
Quando? até 6 de setembro, das 10h às 22h (domingos, das 13h às 21h)
Onde? Praça de Eventos do Shopping Metropolitano Barra
Av. Embaixador Abelardo Bueno, 1.300 - Barra da Tijuca
Quanto? Evento gratuito


Saiba mais...

HANNA faz shows do novo CD no Aqua Bossa Lounge, dias 4 e 5 de setembro

Dos clubes de jazz da Europa ao circuito musical carioca, cantora apresenta repertório do álbum "O amor é Bossa Nova - Homenagem a João Gilberto"


Nos dias 4 (sexta) e 5 (sábado) de setembro, às 22h, a cantora HANNA fará o show de lançamento do CD O amor é Bossa Nova - Homenagem a João Gilberto no Aqua Bossa Lounge, em Ipanema, acompanhada por Dodô Moraes (arranjos, teclados e acordeon), Marcio Souza (violão), Claudio Souza (contra-baixo) e Gabriel Ferretti (bateria). Com uma carreira internacional digna de elogios e reconhecimentos notáveis - em Marrakesh foi saudada com entusiasmo pelo Rei de Marrocos - e após apresentações ao longo dos últimos 20 anos em clubes de jazz da Itália, Suíça, Grécia, França, além de importantes casas de show do Rio (Teatro Rival, Planetário da Gávea, Forte de Copacabana, dentre outros), a cantora HANNA realizou, em seu novo álbum, um valioso resgate na obra de João Gilberto, com a suavidade e sofisticado repertório Bossa Novístico característicos. A turnê de lançamento, que prevê apresentações em Nova Iorque, Paris e Japão, começa no Rio em duas datas.

O álbum O amor é Bossa Nova - Homenagem a João Gilberto traz uma seleção dos standards do gênero imortalizados por João Gilberto, com a doce interpretação e requinte da cantora que começou na música se apresentando em clubes de jazz em Paris, por onde passaram ícones como Billie Holiday e Nina Simone, por exemplo. No disco, estão os clássicos Desafinado, Garota de Ipanema, Ela é carioca, Chega de saudade, Meditação, Este seu olhar, O amor em paz, Saudade fez um samba, O Pato, Menino do Rio, Wave, Bahia com H, além de Inútil paisagem, Dindi, Por causa de você e Nem eu. Ou seja, composições de Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Ronaldo Bôscoli, Carlos Lyra e Dorival Caymmi, dentre outras, eternizadas por João Gilberto.


Show de lançamento do CD "O amor é Bossa Nova - Homenagem a João Gilberto"
Quando? Sexta e sábado, 4 e 5 de setembro, às 22h
Onde? Aqua Bossa Lounge
Rua Prudente de Morais, 416 - Ipanema
Quanto? R$ 40,00

Classificação: 16 anos
Capacidade: 80 pessoas
Mais informações: (21) 2522-0627


Saiba mais...

Ataulfo Alves - O Bom Crioulo


Com direção de Luiz Antonio Pilar e direção musical de Alexandre Elias, Ataulfo Alves - O Bom Crioulo estreia no dia 04 de setembro no Teatro Dulcina. Com texto de Enéas Carlos Pereira e Edu Salemi, o espetáculo canta e conta trechos da vida e obra do compositor, tendo como pano de fundo o Brasil das décadas de 1940, 50 e 60. O musical revela ao público um pouco mais da vida de Ataulfo Alves através de suas canções inesquecíveis.

O musical é uma prévia da comemoração do centenário do samba, que será celebrado em 2016. Conhecido como Mestre do Samba, Ataulfo foi autor de músicas inesquecíveis como Ai que Saudades da Amélia, Atire a Primeira Pedra e Mulata Assanhada. Suas canções foram interpretadas por artistas como Carmen Miranda, Silvio Caldas, Dalva de Oliveira e Elza Soares.

"Sempre quis fazer um musical onde o personagem negro fosse o vetor principal. Ele é um ícone da história negra e da música popular brasileira. Ataulfo é um personagem que, a partir de seu talento individual trabalhou em coletividade com grandes nomes da música brasileira, teve uma grande carreira e nunca negou sua origem. Daí o nome do espetáculo: Ataulfo Alves - O Bom Crioulo", explica Luiz Pilar.

O enredo do espetáculo se desenrola a partir de um encontro imaginário. Em um bar vazio, um maître vê o espírito de Ataulfo Alves. A partir daí, os dois relembram juntos fatos marcantes da vida do mestre do samba, seus encontros e desencontros, suas glórias e suas dores. Nessa conversa, surgem curiosidades como a briga do sambista com Mário Lago por conta de Ai que Saudades da Amélia e a crise de ciúmes de sua esposa Dona Judith por causa de Carmem Costa.

O espetáculo conta com a direção musical de Alexandre Elias, que dirigiu montagens como Tim Maia, Vale Tudo - O Musical; Simbora, o Musical - A história de Wilson Simonal; e Gonzagão, a Lenda, pelo qual recebeu Prêmios Shell e Bibi Ferreira.

"Ataulfo é sinônimo de samba elegante e sofisticado. Não é a toa que seu samba é conhecido como Samba de Gala. Por isso, procurei pensar com qual sonoridade ele gostaria que sua história fosse contada. Para mim esse espetáculo será um importante passo em direção a uma linguagem brasileira dentro do universo do teatro musical", declara Alexandre.

Ataulfo Alves - O Bom Crioulo conta ainda com um elenco de bambas experientes em teatro e música como: Wladimir Pinheiro, intérprete de Ataulfo e vencedor do prêmio Zilka Sallaberry de teatro infanto-juvenil na categoria Melhor Música; Édio Nunes (Pixinguinha / Wilson Batista) trabalha com Musicais desde 1994, dentre eles: Metralha, de Stella Miranda, South American Way, de Miguel Falabella, A Canção Brasileira, de Paulo Betti; Patricia Costa, que atuou nos espetáculos: Sambra, Quando a Gente Ama, É Samba na Veia é Candeia, Os Negros e está em cartaz com o musical Cabaré Dulcina; e Marcello Capobiango, que participou de importantes montagens do teatro musical estilo brasileiro como: Uma Pitada de sorte; O jardim das borboletas; Ai ai Brasil; Obrigado, Cartola; Otelo da Mangueira; Besouro cordão de ouro; Noel - O feitiço da Vila; Cabaré Dulcina, entre outros.

FICHA TÉCNICA

Direção Geral: Luiz Antonio Pilar
Autores: Enéas Carlos Pereira e Edu Salemi
Diretor Assistente: Édio Nunes
Assistentes de Direção: Madara Luiza
Direção Musical: Alexandre Elias
Cenografia: Doris Rollemberg
Figurinos: Helena Affonso
Iluminação: Daniela Sanchez
Som designer: Branco Ferreira
Direção de Produção: Mariana Campos
Assistentes de Produção: Caroline de Silva e Vilson Almeida
Coreógrafo: Édio Nunes
Preparadora Vocal e Musicista ensaiadora: Ananda Torres
Cabelo/Make: Gal
Assistente de Direção Muiscal: Victor Huggo
Músicos: Bezaleel Ferreira, Caio Marcio dos Santos, Rafael Mallmith e Reginaldo Vargas
Elenco: Wladimir PinheiroAlexandre VollúDany StenzelÉdio NunesLuciana BalbyMarcelo CapobiangoMarcelo GonçalvesMarco BravoPatricia Costa e Shirlene Paixão
Operadora de luz: Katia Barreto
Designer Gráfico: Maria Júlia Ferreira
Cenotécnica: Fátima de Souza
Cenotécnica Montagem / Contra regra: Renato Silva
Maquinista: João Paulo Santos
Costureira Cênica: Nice Tramontin
Camareira: Maria Célia Silva


Ataulfo Alves - O Bom Crioulo
Quando? 4 de setembro a 4 de outubro (quarta a domingo), às 19h
Onde? Teatro Dulcina
Rua Alcindo Guanabara 17 - Centro
Quanto? R$ 20,00

Capacidade: 429 lugares
Duração: 1h30
Classificação: 14 anos
Gênero: Musical


Saiba mais...

O que mais já passou por aqui

Não podemos esquecer também dos outros posts mais antigos que também passaram por aqui. Confira abaixo alguns deles que deram o que falar!